sexta-feira, 29 de abril de 2011

Stop Bashar Al Assad

Stop Bashar Al Assad

Hoje sucumbi. Ouvi a notícia do atentado em Marrakesh, fiz o post que está algures lá mais abaixo neste blogue e depois deu-me para ir ao Youtube procurar as imagens do dito, que encontrei de imediato, e por ali fiquei, a saltar de vídeo em vídeo, até que resolvi dar um salto à Síria, onde sei que as coisas estão pretas. De vídeo em vídeo, cheguei a um particular com imagens tão violentas, mas tão violentas, de tiroteios sobre manifestantes indefesos, de pânico total, de mortos espalhados pelo chão, de feridos com tal gravidade que até dói para quem vê, rapazes novos, crianças até... enfim, um horror completo... e fiz de novo o exercício... e imaginei-me síria a reivindicar Liberdade, Democracia, o fim do tiranete obsceno... e imaginei os meus sobrinhos ali... os meus familiares, o pânico meu... e sucumbi à obscenidade... aliás, continuo a sucumbir à medida em que escrevo este post que será terminado custe o que custar... e amparei a minha cabeça, incrédula, com ambas as mãos, deixei verter as lágrimas, impossíveis de conter, senti-me tonta e nauseada... impossível conter a náusea... e sucumbi a dores de cabeça insuportáveis que me levaram ao tapete, ao sofá, enrolada numa manta de lã a tiritar de frio, com este calor, onde adormeci quase de imediato, numa estratégia de sobrevivência que eu conservo, e que é minha, quando a situação se torna insuportável e eu apago, apago momentaneamente.
Não vou linkar o vídeo, aquele particular que eu vi até ao fim num esforço titânico. Espero não o tornar a ver, sei que não passará nas televisões, por ser brutal, mesmo que com bolinha e avisos mil. Impossível esquecer e apagar o que sei estar a passar-se no país da bela Damasco, da bela Palmira. Impossível não vomitar sobre esta esquerda caviar que defende a não ingerência da comunidade internacional e que ignora a matança que pela Síria acontece, escudando-se em conversas de imperialismo americano e mais o raio que os parta a todos. Não fora o dito e os europeus não eram salvos por duas vezes do jugo da loucura. O que são os sírios menos do que esta gente da esquerda caviar europeia, nojenta, que só existe e abre a boca graças ao contributo generoso e "imperialista" dos americanos?
A violência foi de tal ordem que já há demissões em massa no seio do governo sírio, mais de duzentas quando investiguei a coisa pela última vez. Como ignorar? Como fazer de conta que nada se passou e passa?
Para quando a ajuda internacional a um povo que está a ser dizimado a tiro sei lá eu de quê?
Fuck you, Bashar Al Assad! No estertor da morte podias e devias morrer sozinho.

Nota - Pode ler mais sobre este drama aqui e aqui e aqui. A pior atitude que podemos ter é enfiar a cabeça na areia, dizem que como a avestruz, e fazer de conta que está tudo bem... que não temos nada a perder...
Dadas as circunstâncias, todos temos a perder. Perdemos Humanidade. A cada dia que passa.

4 comentários:

prof ramiro marques disse...

Excelente texto. A esquerda caviar sofre de "double standard". O ódio aos judeus cega-os.

maria disse...

Força Anabela! Da esquerda à direita, venha o diabo e escolha.Política e gente foleira.

Anabela Magalhães disse...

Obrigada, Ramiro. Foi o segundo texto mais custoso de escrever durante todos estes anos de blogger. Ontem tive de me "apagar". O que eu vi foi de uma violência indescritível. Como podemos pactuar com um ditador que manada abrir fogo sobre o seu povo indefeso? Nem na Síria, nem aqui, nem na Líbia, nem na Coreia, nem seja lá onde for.
Basta. Uma vida é uma vida.
Beijinhos

Anabela Magalhães disse...

Obrigada, Maria, pela força que me dás. Bem preciso...
Beijinhos

 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.