terça-feira, 15 de outubro de 2019

Sala do Presente - LabMarão

Sala do Presente - Lab Marão - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Sala do Presente - LabMarão

A acção de formação "Ambientes Educativos Inovadores" teve o seu início ontem, em horário pós-laboral e terá a duração de 50 horas que serão, felizmente, bastante estendidas no tempo.
A cargo de dois maquinões informáticos, que o agrupamento de escolas ao qual pertenço tem o privilégio de ter entre o seu corpo docente, esta acção de formação será, sem dúvida, relevante na formação de qualquer um(a) de nós, professores, que a frequentará.

Depois, bem, depois fica-me a faltar tudo, as cadeiras super ergonómicas, as mesas que rapidamente mudam de configuração, os portáteis na sala de aula... e já nem me atrevo a pedir mais...

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Poluição - Amarante em 13-10-2019


Poluição - Amarante em 13-10-2019

Em dias em que tanto se fala da preservação do Ambiente, da importância da manutenção da água de qualidade, a preservação de um rio, o nosso belo e precioso Tâmega, continua a ser tratada ao coice ou ao pontapé.
Aviso à navegação dirigido a todos os actuais leitores, ceguinhos do psd local ou nacional:
. os problemas que afectam a saúde do Tâmega foram por aqui denunciados em tempos de autarquia afecta ao ps e continuarão a ser denunciados em tempos de autarquia afecta ao psd e ao cds.
. se por hipótese absurda o Papa vier a governar o município de Amarante, e a situação se mantiver, com os anos a passar e volta e meia a poluição a ser vista a olho nu aqui pelo Tâmega, podem continuar a contar comigo para denunciar o que já não deveria acontecer porque o Tâmega não é/nunca deveria ter sido/não deverá continuar a ser um esgoto.
. a culpa desta situação não é desta mensageira, que só por acaso se mantém minimamente atenta aos problemas que a rodeiam porque, azar dos azares, tropeça neles. Assim, asseguro-vos que silenciada esta mensageira o problema manter-se-ia tal e qual, visível por todos os habitantes da cidade, visível por todos quantos nos visitam... excepto pelos ceguinhos apoiantes da respectiva facção... que, volta e meia, muda de lado.

domingo, 13 de outubro de 2019

Sala do Presente - LabMarão


Sala do Presente - LabMarão

Hoje quero dar os meus mais sinceros parabéns a todos os envolvidos neste enorme aventura, a todos quantos acreditaram que esta sala era passível de materialização, a todos quantos abraçaram e colaboraram no sentido de criarem as condições para que tudo isto, que saiu da cabeça e do sonho de uma Professora, fosse agora inaugurado.
E hoje mesmo faço questão de destacar essa Professora, que tem nome próprio e que se chama Ana Baptista porque sem esta incontornável peça chave, sem este tijolo primordial, este edifício não teria, de todo, visto a luz do dia.
Depois... depois vem tudo o resto... que não é pouco, bem o sei.
Mas hoje tiro-lhe o meu chapéu, admirada pela persistência, pela resiliência, pelo afastar dos escolhos, pelos caminhos desbravados, pela vontade indomável demonstrada!

Ana Baptista, asseguro-te que é um enorme orgulho trabalhar contigo e aprender contigo todos os dias. E espero que fiques entre nós... e espero que uma sala destas seja igualmente possível na Escola Básica de Amarante. Para alegria e conforto, merecidos, dos nossos Alunos.

sábado, 12 de outubro de 2019

Vergonha


Vergonha

Por tudo o que li aqui contra Joacine Katar Moreira.

Respeito, precisa-se! E força aí, Joacine!

Parabéns, Alexandra Bento! Parabéns, Nutricionistas!


Parabéns, Alexandra Bento! Parabéns, Nutricionistas!

Ela tem muito orgulho no percurso dos nutricionistas e eu, que a conheço desde miúda e que com ela trabalho amiúde, tenho muito orgulho nela e no percurso que ela já fez, na pedra que já partiu, no edifício construído de raiz e que colocou de pé, na sabedoria que não está ao alcance de todos de se fazer rodear por uma equipa enérgica e coesa, que rema toda para o mesmo lado com um profissionalismo fora do comum e sempre com uma simpatia a toda a prova.
Hoje a Ordem dos Nutricionistas que cessa funções está de parabéns!
Hoje a Ordem dos Nutricionistas que inicia funções está de parabéns!
Porque sempre foram e continuarão a ser uma Equipa. Mesmo!

S.TO.P - Os Políticos a Engonhar, os Anos a Passar e Nós a Amiantar

André Pestana - Agrupamento de Escolas de Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães


S.TO.P - Os Políticos a Engonhar, os Anos a Passar e Nós a Amiantar

A reunião foi feita via skype já que o S.TO.P é ainda um pequenino sindicato, de tenra idade... o que não quer dizer que, apesar de novo e pequeno ainda, não tenha chegado com muita garra e com muita vontade de fazer diferente.
A questão do amianto nas escolas foi desde o início uma preocupação dos professores que fazem parte deste sindicato que se organizou de forma colegial e foi desde sempre uma preocupação dos professores associados e mesmo não associados.
A questão da retirada do amianto dos edifícios escolares é uma questão que já tem barbas longas e brancas e que, sejamos claros, mete nojo. E mete nojo pela forma displicente e enganadora com que políticos de múltiplos quadrantes a olham e a encaram.
De promessas em promessas, passam os anos e voltam a passar, e de promessas, diz a sabedoria popular, está o inferno cheio. E está!
Já nos foi assegurado, por várias vezes!, que era desta! Agora sim o amianto vai ser retirado! É este ano, é aquele, é no a seguir ao próximo e andamos nisto... os políticos a engonhar, os anos a passar e nós a amiantar.
Só que... já chega! Temos a informação que a intervenção irá iniciar-se em Novembro. Temos igualmente a informação que retirarão o amianto às pinguinhas. Temos a informação que nem todos os pavilhões serão intervencionados.
Ora, isto é inadmissível! Enquanto comunidade escolar o nosso lema deve ser hoje e amanhã "Ninguém ficará para trás!"
Assim, lutaremos pela resolução total do problema. Os professores de educação física e os funcionários que nesse pavilhão trabalham valem tanto como nós! Os nossos alunos têm o direito de estudar numa escola livre de amianto!
Basta de conjugar o verbo amiantar!
Nota - Grata por todo o apoio, André Pestana! Local e nacional!

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Indecoroso - Amianto nas Escolas - Palavra de Político!


Ver aqui o restante mapa do amianto em Portugal
Ver aqui a lista de 2013 de Escolas de intervenção prioritária para remoção do amianto.

Indecoroso - Amianto nas Escolas - Palavra de Político!

A notícia Ministério da Educação divulga escolas onde amianto será removido data de 2013 e ao que parece o Ministério da Educação cometeu o erro de divulgar a lista das intervenções prioritárias em estabelecimentos de ensino para remoção do amianto.
A E. B. 2/3 de Amarante constava/consta desta lista de intervenções prioritárias para o ministério da Educação... em 2013, pasme-se!!!!
E, passados todos estes anos, perguntam vocês, o que foi feito?
Pois quase nada. Removeram-se as coberturas com amianto nos passadiços que ligam os vários pavilhões e no pavilhão central... e foi tudo.
De fora ficaram todos os pavilhões onde ainda hoje funcionam as aulas, agora das 8:30 às 16:30 e que são 6 - 4 pavilhões de aulas gerais, um para Educação Musical e outro para Educação Física.

Continuaremos a aguardar mais um pouco que as obras se iniciem em breve, continuaremos a dar, mais uma vez, o benefício da dúvida. Pode ser que seja desta... eu é mais ver para crer... mas uma coisa é certa, se não for desta, se nada se passar em tempo breve, não continuaremos a esperar sentados/deitados pela eternidade que chegará um dia, talvez em conjunto com o D. Sebastião.

E damos duas garantias - Não admitiremos deixar pavilhões por intervencionar dentro do espaço escolar. E mais, a nossa palavra não é palavra de político(s)!
Pelo bem dos nossos alunos e de todos quantos trabalham na E.B. 2/3 de Amarante, queremos/exigimos o amianto retirado de todas as coberturas dentro do recinto escolar.

Vergonha - O Tâmega em 4-10-2019

 
O Tâmega em 4-10-2019 - Tujidos - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Vergonha - O Tâmega em 4-10-2019

Volto a repetir: Faremos novos postais ilustrados retratando um rio verde alface? 
Teremos de pedir desculpa aos nossos filhos e netos pelo presente envenenado e doado? 
Choraremos os girinos, as lontras, as enguias, as bogas, os barbos, os cágados, o coaxar das rãs entre os rochedos das margens? 
Choraremos os passeios relaxantes pelas margens do Tâmega? 
Choraremos a água fresca com cheiro a rio? 
Quem põe cobro a isto?

Ó pá, e é todo o leito do rio Tâmega e toda a rede hidrográfica «reserva ecológica nacional»!!!
Ó pá, e é toda a Bacia Hidrográfica do Tâmega «zona sensível»em virtude de se «revelar eutrófica»!!!
Ó pá, e é a Bacia do rio Tâmega classificada como «zona protegida», pela Lei-Quadro da Água!!!

Volto a repetir:

O meu/nosso Tâmega continua a espelhar a sua saga trágica, triste, imunda, escandalosa, doentia, criminosa, infligida por terceiros, à vista de todos, e sem que as pessoas com responsabilidades na governação local e mesmo nacional pareçam preocupadas com tão asqueroso assunto, sendo que têm responsabilidades acrescidas no agonizar do meu/nosso rio.

Passados 10 anos, outros intervenientes políticos ocupam as cadeiras do poder. A ETAR nova já funciona, já não há fotografias da merda a boiar à superfície do Tâmega... mas o Tâmega continua a sufocar.
Quem põe cobro a isto?






quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Uma Manhã com a GNR - Dia da Unidade do Comando Territorial do Porto


Uma manhã com a GNR - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Uma Manhã com a GNR - Dia da Unidade do Comando Territorial do Porto

Na passada terça-feira os alunos do 7. º ano da nossa escola, e de outras escolas do concelho de Amarante, passaram uma manhã radicalmente diferente na companhia das várias dezenas de GNR que a este conselho se deslocaram a pretexto das comemorações do Dia da Unidade do Comando Territorial do Porto.
A actividade, um peddy paper solidário, estava muito bem organizada e, depois de um breve vídeo, os alunos puderam contactar e conhecer valências da GNR que, por vezes, desconheciam por completo, escutaram a banda de música, brincaram com cães, andaram a cavalo, aceleraram em karts, aprenderam o básico para estabilizar uma vítima, andaram em lanchas rápidas no rio Tâmega... enfim, um dia certamente diferente que eles jamais esquecerão, por certo!
O meu grupo está grato ao agente Queirós que nos acompanhou durante toda a manhã e a todos os outros que nos revelaram o exigente e multifacetado trabalho que constitui esta profissão tão importante para assegurar a ordem, e não só!, na nossa sociedade!

Nota - Esta actividade contou com a colaboração dos bombeiros de Amarante.

Sala de História - Orgulho - Mas Nunca se Agrada a Gregos e a Troianos

Sala de História do 3.º Ciclo da E. B. 2/3 de Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Sala de História - Orgulho - Mas Nunca se Agrada a Gregos e a Troianos

Hoje recupero um post datado do dia 11 de Outubro de 2018. E recupero-o à conta de um acontecimento passado hoje de manhã, dentro da sala de aula, dentro da Sala de História, que, de novo, me encheu de orgulho.
Abri a porta, os alunos do 7.º ano foram entrando enquanto eu me dirigia para o computador e eis que os ouço, nas minhas costas, em exclamações entre eles de "Adoro esta sala!" , "Eu também!", "Eu também!", "As salas de aula da escola deviam ser todas assim!".
Caramba, até me virei para eles tentando adivinhar quem assim falava!!!
Muito grata, Alunos Meus! Vocês valem todo o meu sofrimento nesta profissão... digamos que difícil!
Ora aqui vai o post que amanhã fará um ano.
Não faltará gente, por certo, que, ao ler o título deste post, pense de imediato que o orgulho é um dos sete pecados mortais... isto para quem acredita neles. Garanto-vos que, o orgulho por mim sentido ao entrar na Sala de História do 3.º Ciclo, da E. B. 2/3 de Amarante, é um orgulho bom, um orgulho de quem tem a consciência tranquila perante um trabalho que saiu do pelo dos meus alunos e que saiu também do meu próprio pelo.
Durante o ano transacto, muitas foram as vezes em que falei, interna e externamente, em departamento também, da necessidade imperiosa de refrescar salas de aula, de "iluminar" salas de aula, de alterar salas de aula, que são, na minha opinião, e já agora também na opinião dos meus alunos, sítios escuríssimos e não adaptados ao fim a que se destinam, fim este que é, nem mais nem menos, a nobre actividade em que se pratica o ensino/aprendizagem, tarefa que reclama um ambiente acolhedor, repousante, tranquilizador, feito de um ambiente claro, coisa que se consegue, está já provado, sem que seja necessário despejar rios de dinheiro nestes edifícios construídos há décadas mas ainda de estrutura excelente. Ok, ainda falta mudar o chão... já para não falar da urgência da substituição das coberturas, com amianto, das caixilharias e da canalização dos pavilhões que já cumpriram 40 anos de idade e que, obviamente, acusam o passar dos anos consecutivos sem obras de vulto para além de umas remendices aqui e ali. Mas, essas intervenções, já não serão para nós.
Nem mesmo intervenções "pequenas" como estas que hoje partilho serão para mim, num futuro mais ou menos próximo. Aliás, devo confessar que, se fosse hoje, não mexeria uma palhinha por esta Sala de História, não a remodelaria de todo, remodelação esta iniciada no ano lectivo de 2009/2010, com o apoio, sempre, nem poderia ser de outro modo!, da direcção da Escola. E por uma razão muito simples e que se chama, isso!, Ministério da Educação.
Remetida a uma equivalência forçada a funcionária administrativa, que fique bem claro que nada tenho contra eles, bem pelo contrário! mas que eu não sou!, confesso-vos que temo que jamais conseguirei digerir o que considero ser a afronta mais deplorável que tive de acomodar em toda a minha vida profissional. Mas, como a Sala de História já estava bem adiantada, pesados os prós e os contras, até o meu cara metade me disse categoricamente "É claro que tens de acabar a Sala de História!", decidi voltar atrás com a minha decisão de acabar com esta sala diferenciada, diferenciada de História e, ao invés de acabar com ela, tratei de a terminar pelo menos de modo a estar apresentável aquando do regresso dos alunos. O que foi feito. O que está a ser feito. Ainda faltam pequenos pormenores, sim alunos, ainda temos trabalho a executar, mas a sala está já airosa e os/as miúdos/as gostam genuinamente de ter aulas por aqui.
Depois, quando dermos por terminado este trabalho, enriquecedor e pleno de cidadania activa para todos os/as alunos/as que nele estiveram envolvidos, esta professora dará por concluída esta tarefa e não mais se envolverá em nada semelhante, não enquanto o ME não respeitar verdadeiramente a minha profissão, com actos e não com palavras... até de defesa furiosa por parte da tutela, palavras que não passam de verbos de encher, de tão ocas que são!
Ora este relambório todo destina-se a enquadrar o orgulho que senti quando uma colega, colocada pela primeira vez nesta escola, mas que aqui foi aluna, exclamou, em plena reunião de departamento, "Nem parece que estou numa sala de aula! Parece que estou em casa!"; ou o orgulho que senti quando um colega, de novo colocado na E. B. 2/3 de Amarante, entrou na Sala de História e partilhou comigo o efeito, bom, que esta sala teve sobre a sua pessoa e como ele a achou airosa e luminosa e adequada ao fim a que se destina; ou ainda o orgulho que senti quando vários funcionários me deram os parabéns pelas alterações introduzidas numa sala que eles encontraram "espectacular", para usar as suas palavras, e que agora sai da caixa das restantes salas da E. B. 2/3 de Amarante... mas talvez não por muito tempo, assim o espero... porque gostaria, genuinamente, que as salas de aula da E. B. 2/3 de Amarante fossem melhoradas por uma simples razão - a miudagem merece e nós, seus professores, que igualmente as habitamos, também merecemos. E podia continuar...
Evidentemente, nunca se agrada a gregos e a troianos e a Sala de História não é coisa de que toda a gente goste... mas, claro está, este é um risco assumido por quem pretende intervir, e intervém!, no meio que o rodeia, tentando melhorá-lo... um bocadinho que seja.

Atenção, e volto a repetir - Se fosse hoje, depois do que a tutela nos fez durante o Verão passado, imperdoável a meu ver, a minha actuação jamais seria esta e a Sala de História só existiria, talvez!, em alguma obra de ficção científica.
(...)

Trabalho Escaldante


À saída da Escolinha - S. Gonçalo - Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Trabalho Escaldante

O trabalho tem estado particularmente escaldante por aqui e bem mais penoso do que o expectável à conta das temperaturas anormalmente altas para esta época do ano... hoje foi mais do que assim, depois de um amanhecer gelado até dizer chega.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Site de Recursos em PowerPoint - História


Site de Recursos em PowerPoint - História

As apresentações em PowerPoint, que cobrem todos os conteúdos do 7.º ano de História, já se encontram recicladas até à apresentação J - Contributos das primeiras civilizações e podem ser consultadas aqui.
O trabalho faz-se agora a um ritmo bastante mais acelerado já que a disciplina de História é agora, no meu agrupamento, semestral e a carga horária semanal que daí decorre é agora de 5 tempos de 50 minutos cada um... mas no final de Janeiro direi adeus a duas das minhas turmas de 7.º ano para receber duas outras cujos alunos ainda não conheço.
Por estes dias, o meu trabalho faz-se de reciclagens diversas às minhas apresentações em PowerPoint - acrescento das aprendizagens essenciais, de situações problema e de conceitos aula a aula, introdução de uma ou outra fotografia, alteração de um ou outro texto, retirada de todas as animações que, devo confessar, nunca foram muitas porque sempre as considerei distractoras para o meu público-alvo que são os alunos.
Ah, e claro!, continuo a partilhar o meu trabalho agora descodificado, sem qualquer palavra-passe... mas sempre na esperança de o ver integralmente respeitado

Alunos - Saudades de Nós

Finito - Última Aula - Escola Básica de Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Alunos - Saudades de Nós

Um dia escrevi neste blogue:

"Eles são altos, baixos, de estatura assim assim, louros, de cabelos escuros, lisos ou encaracolados, de olhos verdes, azuis, castanhos e de cores verdadeiramente indescritíveis também, de pele alva, muito morena e, felizmente, com muitos cambiantes entre estes dois extremos... eles são do sexo masculino, do feminino... e do resto nem sei... eles são engraçados, tolerantes, meigos, doces, ariscos, galhofeiros, empenhados, resilientes, frágeis, simpáticos, rebeldes, generosos, egoístas, solidários, poéticos, aplicados, interventivos, tímidos, contidos, exuberantes, resistentes, malandros, criativos, suaves, ásperos... todos muito belos, cada um na sua especificidade. Todos e todas."

Pois hoje, uns quantos vindos quase da Universidade... e estou a referir-me à vizinha ESA... vieram procurar-nos à Sala de História do Agrupamento de Escolas de Amarante pois estavam com saudades nossas, do nosso velho espaço, do nosso familiar cheiro.
E foi então tempo de acabarmos o trabalho de um dia entre abraços apertadinhos e sorrisos muitos, abertos de orelha a orelha. E falamos das condições xpto da ESA, dos laboratórios xpto da ESA, das salas xpto da ESA... mas que a ESA não tem, de todo!, uma Sala de História como a que existe na velhinha Escola Básica de Amarante, Escola que um dia foi deles e que eles levaram no coração... para a vida!
Grata, Alunos Meus/Nossos! Como vocês comprovaram, nós continuamos por lá... por isso apareçam sempre que necessitarem... ou precisarem... ou apenas porque sim.

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

As Contradições do PCP - Chegou a Factura


As Contradições do PCP - Chegou a Factura

Depois de assistir de palanque a um PCP incongruente ao longo de uma legislatura inteirinha, escrevi que o PCP, previsivelmente, pagaria cara a factura de encher a boca com a luta e com a defesa dos direitos dos trabalhadores e depois manter uma prática em que mais não fez do que amansar e mesmo boicotar essa mesma luta ao longo dos últimos quatro anos.
A coisa foi tão escandalosa, no caso da luta dos professores durante o Verão passado, com um sindicato capturado por esse mesmo partido, que assistimos ao decalque/uniformização das posições um pelo outro - veja-se o Mário Nogueira, na televisão, a dizer entre dentes, o que disse sobre a greve de professores pelos 9 anos, 4 meses e 2 dias ou a chamar traidores aos professores que, nas escolas, lutavam contra um governo desrespeitador dos direitos dos professores e um sindicato que tudo fez para boicotar essa luta - essa greve/luta não é nossa - ; veja-se o comunicado do PCP sobre a ILC, ou o comunicado da Fenprof sobre o mesmo tema, que, volto a repetir, a coisa foi mesmo tão escandalosa que só poderia dar em divórcio, meu, com a Fenprof, central sindical a que tinha aderido aquando da minha entrada na profissão docente.
O PCP não pode ter o melhor dos dois mundos - amansar/boicotar a luta dos trabalhadores - e nós professores somos trabalhadores!!!! tal e qual como os metalúrgicos, os enfermeiros ou os motoristas de matérias perigosas... só porque o governo em gestão se diz de esquerda! e depois pensar que a população continuará a dar-lhes o seu votinho de olhinhos fechadinhos.
Muito embora Jerónimo de Sousa continue com o blá blá costumeiro, o PCP pagou cara a estratégia que delineou para si próprio, tal e qual como eu tinha previsto que aconteceria.
Continuem mais quatro anos, continuem... e depois, depois queixem-se! Ou, em alternativa, assobiem para o lado!

"Actos, não palavras"

Emily Davison


domingo, 6 de outubro de 2019

Desculpa, Professora Emily Davison!


Desculpa, Professora Emily Davison!

(...) recordo a todos os meus leitores que a conquista de direitos, ao longo da História, fez-se de lutas muitas e que nada foi conquistado a jogar a feijões.
Assim, e para que as mulheres, em alguns países, possam hoje exercer o direito de voto em igualdade com os homens, muita gente, antes de nós, teve de lutar forte e feio, exigindo que tal facto passasse de uma impossibilidade ao seu contrário.
Hoje partilho convosco a luta de Emily Wilding Davison, uma Professora inglesa profundamente indignada com o estatuto de inferioridade da mulher no seu tempo, decorrente da mentalidade vigente na época, sufragista, e que, depois de muitas e variadas lutas, em que chegou a estar presa inúmeras vezes e a cumprir greve de fome, fez a sua luta mais radical, pagando-a com a própria vida.
No dia 4 de Junho de 1913, na grande corrida de cavalos de Epson, colocou-se à frente do cavalo do rei George V e pagou com a vida, depois de ter sido enviada para o hospital onde viria a ser declarada morta quatro dias depois. 
A cena, que tanta tinta já fez correr desde então, ficaria para a posteridade, gravada em filme.
Em 1918, as mulheres, com mais de 30 anos, puderam, finalmente, votar.
Na sua sepultura está gravado "Actos, não palavras".
E sim, a história desta e de outras sufragistas dava um filme. Aliás, já inspirou/deu um filme.
"Jamais se renda. Jamais desista da luta."
Ou seja, nada muda, até que muda. E é isto.

Nota - Post publicado durante este ano de 2019 neste blogue.
 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.