terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Comissão da ILC Vai Ser Recebida pelo Grupo Parlamentar do PSD


Comissão da ILC Vai Ser Recebida pelo Grupo Parlamentar do PSD

Será amanhã, pelas 15 horas.
Estamos prontos. Continuamos a lutar pelo que é nosso e nos pretendem subtrair. E não acreditamos em simulacros de negociações.

Ora vejamos o que diz Tiago:

Negociar com professores? O Governo tem o seu “próprio calendário"

É caso para dizer... Senhores sindicalistas, fiem-se na virgem e não corram!

No seguimento do pedido de audiência realizado ao Grupo Parlamentar do PSD, cumpre informar da disponibilidade para a realizar cerca das 15h00 (depois da audição na 8ª Comissão), na direção do GP PSD, no edifício principal da Assembleia de República.

Algum tema que surja, não hesite por favor em contactar-nos.
Carla Grou

Carla Grou
Assessora
Gabinete do Cidadão do Grupo Parlamentar do PSD
Tel. 213 917 532 (Ext. 13282) | Tlm. 917 825 479
Palácio de S. Bento – Edifício Novo | 1249-068 Lisboa

ILC - Em Consulta Pública até 14 de Fevereiro de 2019


ILC - Em Consulta Pública até 14 de Fevereiro de 2019

Estamos prontos!

A ILC em Apreciação Pública

Exmos Membros da
Comissão Representativa da iniciativa legislativa de cidadãos – Projeto de Lei n.º 944/XIII, “Consideração integral do tempo de serviço docente prestado durante as suspensões de contagem anteriores a 2018, para efeitos de progressão e valorização remuneratória”.

Informa-se que o Projeto de Lei n.º 944/XIII/3.ª (ILC) já se encontra em apreciação pública, pelo período de 15 de janeiro a 14 de fevereiro de 2019, conforme separata 105 que se anexa.

Aproveita-se para juntar a publicação do aviso em dois jornais nacionais (Público e Jornal de Notícias).

Com os melhores cumprimentos,
A Equipa de Apoio à 8.ª Comissão
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
Comissão de Educação e Ciência | Divisão de Apoio às Comissões
Palácio de S. Bento | 1249-068 Lisboa, Portugal
Tel.: +351 21 391 96 54
Anexo: separata 105

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

ILC - Em Directo no Canal Parlamento no Dia 16-1-2019


ILC - Em Directo no Canal Parlamento no Dia 16-1-2019

No próximo dia 16 de Janeiro, estaremos por lá defendendo o tempo de serviço que é nosso.

Pode acompanhar clicando aqui.

Bombos de Jazente - Festa de S. Gonçalo - 13-1-2018

Bombos de Jazente - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Bombos de Jazente - Festa de S. Gonçalo - 13-1-2018

Muitos foram meus alunos. Chamam-se Cristiano, Pedro, Zé Carlos... e por aí adiante que a lista já parece nem ter fim. Já fui ao casamento de um deles - e que beleza de casamento! - a bem dizer meu aluno neto... porque fui professora da senhora sua mãe... e sim, também fui professora um dia das senhoras suas tias. Acompanho-os desde que me lembro, uns a darem lugar a outros, outros a manterem-se de pedra e cal bombando forte e feio pum catrapum catrapum pum pum... dando-me música que me parece celestial para os meus ouvidos.
Agradeço-vos, miúdos! Na Páscoa voltais a acordar-me?

domingo, 13 de janeiro de 2019

Festa de S. Gonçalo

Festa de S. Gonçalo - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Festa de S. Gonçalo

Que nunca nos faltem os Bravos Homens e as Bravas Mulheres de Vermelho.
Porque têm garra, porque têm carisma, porque têm força, porque respiram energia por todos os poros e partilham a imensa alegria de um dia de Festa a S. Gonçalo inundado de sol.

Nota - Felizmente para todos nós, os mamarachos brancos, também apelidados localmente de trambolhos, tralha, móveis do IKEA, peças sanitárias, vómitos, monos albinos... e o mais que agora nem me lembro, daqui não se veem.
Mas ainda estão lá, conspurcando o beleza de uma igreja que é património classificado... muito embora por estes dias nem o pareça.
As entidades que tutelam este património, e especificamente todas as pessoas que estão à frente delas, não sentirão vergonha nas carinhas que devem ter?

sábado, 12 de janeiro de 2019

Audiência na CEC - Organizações Sindicais (Não o S.TO.P) Sobre a Recuperação de Tempo de Serviço dos Professores


Audiência na CEC - Organizações Sindicais (Não o S.TO.P) Sobre a Recuperação de Tempo de Serviço dos Professores

Ora bem, todos os grupos parlamentares, aqui representados nesta Comissão de Educação e Ciência - excepto o PS, agora... porque em 15 de Dezembro de 2017, este mesmo grupo parlamentar do PS, votou favoravelmente uma recomendação ao governo para que este contasse integralmente o tempo de serviço - estão de acordo num princípio - Conte-se o tempo de serviço efectivamente cumprido pelos professores portugueses.
Muitos de nós continuam a não acreditar em simulacros de negociações que se arrastam há tempos infindáveis sem que produzam coisa alguma de concreto e de positivo e só servindo para deixarem os professores desgastados e com os nervos em franja com a novela deprimente em que tal assunto se transformou.
A ILC foi admitida e terá de ser obrigatoriamente discutida e votada na sede da Democracia Portuguesa.
Aqui chegados, só vos pedimos uma coisa, senhores deputados - Honrem as palavras já ditas e proferidas em variadíssimas ocasiões. Honrem as posições por vós já assumidas nessa mesma Casa da Democracia. Não entrem no jogo do gato (ME) e do rato (Plataforma Sindical) que só serve para nos envergonhar a todos.
Resolvam este diferendo nada saudável e que já serviu para incendiar as escolas durante o final do ano lectivo transacto. Se não concordarem com o articulado da ILC, alterem-no mas cumpram o vosso papel. De uma Assembleia Legislativa espera-se que legisle.
Legislem pois a contagem integral do tempo de serviço dos professores. Entendam-se. É que com simulacros de negociações não vamos mesmo lá.
O que precisam mais de ver e ouvir para chegarem a esta brilhante conclusão?!

Nota - Na próxima quarta-feira, pelas 14 horas, estaremos nós, proponentes da ILC, na CEC. Da nossa parte, é uma honra contibuirmos activamente para que a qualidade desta Democracia se robusteça.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Dia de S. Gonçalo - Pedido

S. Gonçalo - Igreja de S. Gonçalo - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Dia de S. Gonçalo - Pedido

Hoje é o seu dia. E hoje aproveito para lhe fazer um único pedido:

- S. Gonçalo, faz desaparecer os trambolhos brancos que conspurcam a igreja que é tua. Sim?

Petição: Estabelecimento de Tempos Mínimos Obrigatórios nas Disciplinas de História


Ensino da História - E. B. 2/3 de Amarante 
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Petição: Estabelecimento de Tempos Mínimos Obrigatórios nas Disciplinas de História 

Aqui fica o link para que possa assinar a petição por um ensino da História um pouco mais robusto.

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=horasparahistoria

E aqui fica o seu texto integral.

As AE constituem-se como a resposta possível a um problema premente da educação em Portugal, identificado por diversos agentes educativos, nomeadamente pelos próprios professores em diversos inquéritos de opinião – a extensão dos documentos curriculares e a forma como se processa o ensino-aprendizagem, ainda pouco centrado no aluno, que continua a participar pouco na construção e consolidação das suas aprendizagens. 
A este problema, acresce, no caso da História, a diminuição efetiva da carga horária da disciplina, ocorrida em 1998, altura em que foram retirados 2 tempos letivos de 50m à disciplina de História e Geografia de Portugal no 2º ciclo do ensino básico e 3 tempos de 50m a História no 3º ciclo, sem que se tenha verificado uma correspondente adaptação dos programas disciplinares a essa nova realidade. 
Com a aplicação das AE nas escolas pretende-se consolidar as aprendizagens de forma efetiva, recusando um ensino aprendizagem baseado no saber inerte e enciclopédico; desenvolver competências que requerem pesquisa, análise, reflexão e debate; efetivar a diferenciação pedagógica nas salas de aula. Concordando com estes pressupostos estabelecidos pela tutela, a APH aceitou participar no processo de definição das AE, visto que tal constituiria uma óbvia mais valia para todos os intervenientes. 
Desenvolver as competências acima descritas implica tempo. Neste sentido, foi garantido a todas as associações de professores envolvidas no processo de definição das AE, e reiterado em diversas ocasiões, que os tempos de lecionação destinados a cada disciplina não seriam modificados. O que se pretendia era libertar tempo dentro de cada disciplina para se trabalhar com os alunos de uma forma diferente, mais dinâmica e, também, para possibilitar o trabalho cooperativo com outras disciplinas, numa lógica interdisciplinar. 
Ora, num quadro de autonomia das escolas, a situação não tem correspondido exatamente ao que a tutela nos garantiu – a APH tem recebido várias denúncias por parte dos seus associados, queixando-se de uma diminuição efetiva da carga horária das disciplinas de História nas suas escolas. Estas ocorrências, apesar de não serem generalizadas, preocupam-nos, e consideramos que a tutela deveria tomar medidas concretas para as evitar, estabelecendo, nomeadamente, tempos mínimos obrigatórios para as disciplinas de História. Como é que se pode afirmar que se pretende implementar um ensino aprendizagem mais centrado no aluno e no desenvolvimento de competências e diminuir-se o tempo que deveria estar disponível para que tal se efetue? 
Não chega afirmar que o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória assenta numa base humanista. É necessário concretizá-lo. Tendo em conta as caraterísticas da construção do saber histórico – o desenvolvimento de valores ligados ao pensamento democrático, à estruturação do pensamento, ao desenvolvimento das capacidades de análise, de síntese e de crítica –, que podem e devem ser potenciados pela oportunidade que constituem as AE e o modelo de ensino que lhes está associado, parece uma contradição a diminuição efetiva da carga horária da disciplina que se está a verificar, efetivamente, em muitas escolas. 

Os agentes educativos abaixo-assinados vêm, respeitosamente, solicitar que Vossa Excelência se digne a ter em consideração a petição acima descrita, enquadrada pela necessidade de desenvolvimento de boas práticas educativas e de cidadania, na aplicação das Aprendizagens Essenciais e da política educativa que as contextualiza. 
Confiantes de que o nosso pedido será deferido, junto enviamos duas vias do presente abaixo-assinado. 

Lisboa, 7 de novembro de 2018 

Finalmente - ILC no Parlamento


Finalmente - ILC no Parlamento

O parto da ILC nem foi particularmente difícil... mas, os seus primeiros meses de vida, até chegar aqui, ao exacto ponto em que agora nos encontramos, foram qualquer coisa que podemos classificar como tempos kafkianos. E davam um filme. Não muito bonito e não abonatório da qualidade, que devia ser superior, da nossa Democracia.


Membros da
Comissão Representativa da iniciativa legislativa de cidadãos – Projeto de Lei n.º 944/XIII, “Consideração integral do tempo de serviço docente prestado durante as suspensões de contagem anteriores a 2018, para efeitos de progressão e valorização remuneratória”.
Encarrega-me o Senhor Presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência,  Deputado Alexandre Quintanilha,  de comunicar a Vossas Exas. que, no âmbito  do Projeto de Lei n.º 944/XIII, Consideração integral do tempo de serviço docente prestado durante as suspensões de contagem anteriores a 2018, para efeitos de progressão e valorização remuneratória, que tem origem numa iniciativa legislativa de cidadãos, se realizará uma audição no dia 16 de janeiro de 2019, às 14h00, na Assembleia da República - no Palácio de S. Bento, com a seguinte grelha de tempos:
ilcparl
Agradeço a confirmação da data e hora proposta, bem como o nome dos elementos que compõem a delegação.
Querendo, a audição poderá realizar-se por videoconferência. Para este efeito, terão de facultar um número de telemóvel, com vista a serem contactados pelos Serviços de Informática da Assembleia da República.
Conforme solicitado por V. Exas., aproveitamos para informar que, na reunião da Comissão de hoje, foi considerado que, atendendo à matéria, deve a iniciativa legislativa de cidadãos ser submetida a apreciação pública, nos termos legais.
Com os melhores cumprimentos,
A Equipa de Apoio à 8.ª Comissão
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

ILC - As Trapalhadas Continuam e Não São Nossas


ILC - As Trapalhadas Continuam e Não São Nossas

No passado dia 3 de Janeiro, por email, fomos convocados para uma audição na Assembleia da República, mais concretamente na Comissão de Educação, a realizar-se no próximo dia 9 de Janeiro.
Posteriormente, por telefone, fomos desconvocados da mesma.
Ou seja, as trapalhadas, que rodearam a ILC desde a sua inscrição na Plataforma da Assembleia da República, continuam e não nos dão tréguas. E as trapalhadas não são nossas.
Publico a resposta escrita do Luís Braga que eu subscrevo por inteiro.

Ex.mo Senhor Presidente da Comissão de Educação,

Após a receção da mensagem e comunicação de audição anterior, fui contactado telefonicamente para os serviços me informarem que a audição seria adiada, para data a indicar, em virtude de a comissão ir ainda decidir sobre a necessidade de apreciação pública do projeto e audiências com os sindicatos. Informamos o Senhor Funcionário parlamentar que, com muita cortesia e disponibilidade nos atendeu, que ficamos, por isso, a aguardar pacientemente, como até ao momento (nestes perto de 9 meses do processo da ILC).
Registamos que a ILC (pioneira na sua realização no site do parlamento e que pagou em atrasos o preço disso e de confiar no funcionamento do parlamento) entra em debate, depois de muitas delongas e por motivos, ironicamente ligados à verificação de assinaturas, que não são imputáveis aos subscritores e proponentes.
Os mais de 20 mil cidadãos, que o Parlamento reconhece terem assinado a ILC, exigem de nós que não descuremos a gestão do processo, evitando que um ato de participação democrática, que usa as virtualidades generosas do sistema, seja burocraticamente transformado num formalismo vazio e sem qualquer efeito político.
Por isso, apelamos a que haja a cautela por parte do Parlamento de não acrescentar mais capital de queixa às observações factuais negativas que se podem fazer à forma como o processo tem sido gerido. Acresce que a ILC é uma iniciativa apartidária e não sindical (todos os sindicatos foram contactados para a apoiar mas só um o fez, o STOP; houve vários que protestaram publicamente contra a ILC). No processo da recolha de assinaturas houve pronunciamentos públicos negativos (em comunicado) de forças políticas (PCP) e de Sindicatos (FENPROF).
Por isso, atrasar o debate de uma iniciativa de cidadãos para ouvir a representação sindical merece que se reflita sobre a seguinte constatação, de que, cremos, os cidadãos em geral e os professores, em particular, farão nota: o parlamento vem-se abstendo há 2 anos de agir no âmbito das suas competências legislativas e limita-se a recomendar ao Governo que negoceie com os sindicatos.
A própria AR podia legislar e agir concretamente no assunto em apreço e não na base da remissão do assunto. Quando, fruto da entrada de um projeto de lei (via ILC, que os partidos podiam ter iniciado por si), se tem de confrontar com a realização de um processo legislativo sobre a matéria, não deve seguir no mesmo rumo dilatório e abstencionista.
Os sindicatos de professores independentemente da sua representatividade (que em alguns casos é relativamente desconhecida porque os dados não são públicos e o Governo se recusa a divulga-los) devem ser ouvidos mas isso não pode servir para desvalorizar e atrasar o debate da ILC e as obrigações processuais e políticas da AR face aos seus subscritores.
Num contexto em que tanto se fala da crise da imagem do Parlamento e da Democracia isso só acrescentará mais descrença ao que os cidadãos sem cargos políticos (como são os autores e subscritores da ILC) percecionam do valor que é dado à sua participação.
Creio que entenderá este quase lamento, de cidadãos que há quase 9 meses, esperam para ser ouvidos, e que tem suportado com paciência vários agravos à sua iniciativa de participação como um sinal não preconceituoso de como valorizamos o papel da comissão e do parlamento.
Mas, por exemplo, ao observar a grelha de tempos, que era anexo da notificação adiada, não deixamos de registar a surpresa por ver que um ato legislativo proposto por 20 mil cidadãos, num tema central da política nacional, nem terá meia hora da atenção dos senhores/as deputados/as para ouvirem as suas razões (2 intervenções de 10 minutos, evidenciam clara desproporção de atenção face a organizações representativas com meras centenas de associados que terão o mesmo tempo para exporem posições e que, como repetirão posições semelhantes, acabam sobrerrepresentadas em tempo de audição).
Cremos que valorizar a participação dos cidadãos poderá ser dar-lhes mais tempo para se explicarem, até porque, sendo inexperientes (e até podendo estar nervosos por falta de hábito de falar em comissões parlamentares), precisam de mais.
Pedia que os contactos sobre a tramitação da ILC fossem feitos com todos os membros da Comissão Representativa (de que a AR possui contactos) e não apenas comigo (que tendo sido porta-voz e redator de requerimentos em vários momentos, não sou sequer o primeiro subscritor).
Com os melhores cumprimentos e disponível para qualquer esclarecimento adicional,
Luís Sottomaior Braga

Aniversário - Papá


Aniversário - Papá

Hoje é o dia deste rapaz. 
Muitos parabéns, Papá! Chegar à tua maravilhosa idade em boas condições de conservação e com tão poucas obras de restauro, é obra!
Que continues a contar muitos e bons... e que eu tos possa contar/cantar... hoje/sempre.

A Errada Oferta Alimentar nos Bares das Escolas - A Palavra à Senhora Bastonária da Ordem dos Nutricionistas




A Errada Oferta Alimentar nos Bares das Escolas - A Palavra à Senhora Bastonária da Ordem dos Nutricionistas

Verdade. As escolas continuam a vender bolos, bolachas e chocolates que saem dos/nos bares à velocidade da luz, à revelia das orientações. Apesar de tudo quanto já sabemos sobre a importância de fazermos uma alimentação globalmente equilibrada e saudável, e de como isso se repercute na nossa saúde!, porque nós somos, também, aquilo que ingerimos, a verdade é que há uma demissão generalizada, um fazer de conta que, um deixa andar, perante uma epidemia que pagamos todos em problemas de falta de saúde com doenças cada vez mais instaladas que pesam extraordinariamente nas contas públicas, ou seja, que pesam extraordinariamente nos bolsos de cada um de nós, que nos pesam até duplamente porque não só gastamos dinheiro na compra destes indutores de doença como depois gastamos nos tratamentos das doenças já instaladas. Enfim, uma verdadeira aberração se pensarmos que as comuidades educativas têm o dever... pois, de educar.
Gostaria de ver as escolas a assumirem as rédeas deste problema que não é verdadeiramente reconhecido, quantas vezes!, nem por directores, nem por direcções, nem por docentes, nem por funcionários, nem por encarregados de educação, pais ou outros.
Gostaria que as escolas actuassem antes de serem liminarmente proibidas de disponibilizarem estes alimentos processados nos seus bufetes/bares. Confesso que gostaria de as ver tomar as rédeas da Educação, neste caso Alimentar.

"Muitas escolas continuam a vender doces como bolos e chocolates nas máquinas de venda automática e até nos bares dos estabelecimentos de ensino. No portal da contratação pública foram publicados mais de 30 contratos para aquisição destes produtos, só no último mês com gastos a rondar os 300 mil euros. Comentários de Alexandra Bento, Bastonária da Ordem dos Nutricionistas; Filinto Lima, Presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas."

Ordem dos Nutricionistas

E, já agora, também dou a palavra a Sobrinho Simões que, ao DN, afirmou:

"Temos é de ter esta noção: diminuir os hidratos de carbono. Os portugueses fazem uma alimentação hipercalórica, encharcam-se em açúcar. Neste momento, e de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), trinta por cento das nossas crianças sofrem de obesidade. Não pode ser, algo tem de mudar."

Aniversário - Papá


Aniversário - Papá

Hoje é o dia deste rapaz. 
Muitos parabéns, Papá! Chegar à tua maravilhosa idade em boas condições de conservação e com tão poucas obras de restauro, é obra!
Que continues a contar muitos e bons... e que eu tos possa contar/cantar... hoje/sempre.

domingo, 6 de janeiro de 2019

Alunos - Generosidade

Trevo de Quatro Folhas - E. B. 2/3 de Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Alunos - Generosidade

"Professora, posso oferecer-lhe um trevo de quatro folhas?"

Nota - Dizem que dá boa sorte, por isso, trevo de quatro folhas oferecido por aluna, cumpre o teu papel!

Alunos - Generosidade


Alunos - Generosidade

Abrir hoje o facebook e receber, via chat, esta mensagem maravilhosa de um ex-aluno, que já foi um dia de uma minha direcção de turma bem trabalhosa, é ter a certeza que, por vezes, fazemos, por certo, alguma coisa bem feita.

"Olá professora! Tudo bem? Neste fim de semana vi um filme que lhe gostava de recomendar a si e aos seus alunos! Conta a jornada de um rapaz no tempo da Pré-História, e acho que seria um bom filme para eles, se estiverem a dar essa matéria, pessoalmente gostei, eles devem achar interessante, chama-se "Alpha", não sei se já viu."

Muito obrigada, L! Garanto-te que me deixaste sensibilizada pelo teu cuidado para comigo e para com colegas teus que nem conhecerás.
Não conheço o filme que me recomendas, mas já vi o trailler e pareceu-me deveras interessante. Seguirei os teus conselhos. Vou ver este "Alpha"!

Nota - Este post foi escrito com conhecimento e licença do L.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

A ILC e o Tempo de Serviço dos Professores


A ILC e o Tempo de Serviço dos Professores

Continuamos a lutar pela contagem integral do tempo de serviço efectivamente cumprido pelos professores portugueses. Fizemos o que estava ao nosso alcance para colocar este assunto na ordem do dia e obrigar os partidos políticos a clarificarem as suas posições, o que acontecerá, quer eles queiram quer não, um dia destes... e, por favor, sem ses e sem mas... sim? Acham que conseguem, senhores deputados?

E não, não é verdade que os professores portugueses estejam a exigir retroactivos, coisa que nunca exigiram!, e não é por plantarem (quem?) este tipo de desinformação junto de quem é péssimo profissional, pois que se limita a papaguear aldrabices... ops! será inverdades?... que esta mentira se vai transformar em coisa verdadeira... pois tal nunca acontecerá!

A palavra a Sara R. Oliveira que escreveu o texto que se segue para o educare.pt.

"O tempo de serviço congelado aos professores será discutido no Parlamento. A Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC) foi admitida definitivamente a debate parlamentar, por decisão do presidente da Assembleia da República, o que significa que está aberto um processo legislativo para que os partidos possam apresentar propostas sobre a contagem do tempo de serviço docente. Trata-se de um processo independente do decreto do Governo, que defendia a contagem de dois anos, nove meses e 18 dias, e autónomo à apreciação parlamentar desse decreto que acaba de ser vetado pelo Presidente da República que sustenta que este assunto tem de ser alvo de negociação, entre o executivo governamental e os sindicatos do setor, conforme estipulado no Orçamento do Estado. 

A ILC surgiu em abril de 2018, lançada por um grupo de docentes, e foi assinada por 21 768 eleitores. As assinaturas recolhidas legitimam um projeto de lei que propõe a contagem integral do tempo de serviço prestado pelos professores, com efeito a 1 de janeiro de 2019, e “sem efeitos de atraso, na contagem para cada docente, por via de vagas ou quotas de avaliação (pontos essenciais da proposta, além da contagem integral).” Esse projeto que defende a consideração integral do tempo de serviço docente prestado durante as suspensões de contagem anteriores a 2018, para efeitos de progressão e valorização remuneratória, já baixou à Comissão de Educação e Ciência e será discutido e votado no Parlamento. 

“Cabe agora aos partidos posicionarem-se e fazerem as suas propostas no processo legislativo assim aberto e que se antecipa à eventual apreciação do decreto-lei”, aprovado pelo Governo mas entretanto chumbado pelo Presidente da República, sustenta a ILC, em comunicado, sublinhando que as mais de 20 mil assinaturas conseguiram “com seriedade e usando mecanismos legais, pôr o sistema a funcionar e obrigar o Parlamento a superar graves dificuldades burocráticas da sua organização, que atrasaram o processo”. 

No projeto de lei da ILC explicam-se razões e motivos para que nem um dia de trabalho prestado pelos professores fique por contar. A dedicação da classe docente é um dos argumentos. “Durante o período da crise económica e financeira, que resultou em restrições generalizadas de despesas no âmbito da administração pública, deram, à semelhança de outros cidadãos, um grande contributo à solução das dificuldades, sofrendo, sem grande contestação face ao quadro nacional, cortes e reduções salariais, aumento da carga fiscal, agravamento do horário de trabalho e degradação das condições materiais de trabalho resultantes dos efeitos sociais da crise nas escolas, das dificuldades materiais de funcionamento e da falta de recursos nas mesmas”, lê-se nesse projeto de lei que será debatido pelos deputados. 

“Não é aceitável, que outros cidadãos, nas mesmas circunstâncias, tenham visto repostos os seus direitos, temporariamente suspensos e os professores não. Em causa está o desrespeito de Princípios Básicos e Fundamentais de um Estado de Direito Democrático, designadamente os Princípios da Universalidade e da Igualdade”, sublinha, no comunicado.

O tempo de serviço docente ou equiparado, dos docentes abrangidos pelo Estatuto da Carreira Docente dos Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico e Secundário, a ser contado é o que foi prestado entre 30 de agosto de 2005 e 31 de dezembro de 2007 e entre 1 de janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2017. A Assembleia da República chegou a recomendar ao Governo que garantisse, nas carreiras cuja progressão dependesse também do tempo de serviço prestado, que esse tempo fosse contado para efeitos de progressão e correspondente valorização remuneratória. O grupo de professores que avançou com a ILC lembra que a recomendação não teve efeitos práticos, nem se espera um desfecho em breve, “pelo facto de, nas negociações entre organizações sindicais e Governo, não ter havido entendimento que satisfaça as pretensões dos professores e educadores portugueses”. 

No comunicado, a ILC realça que esta iniciativa não é sindical e não é partidária e recorda que teve “oposição patente e pública do PCP e da FENPROF”. “No âmbito sindical, reuniu apenas o apoio do STOP, apesar de todos os sindicatos terem sido expressamente convidados a apoiar a iniciativa”, recorda."

Jóia de Luz

Largo de S. Gonçalo Reflectido em Óculos de Sol
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Jóia de Luz

A crescer num Largo/Umbigo inundado de um Sol luminoso e acolhedor.

E sim, vovó, felizmente deste Largo não se avistam os três mamarrachos/vómitos que agora poluem, desequilibram e descaracterizam todo o interior da Igreja de S. Gonçalo...

Greve - A Luta Continua


Greve - A Luta Continua

A greve continua a todas as actividades que vão para além do horário atribuído, ou seja, a todas as actividades que vão para além das 35 horas semanais.
Relativamente a este assunto, há escolas com práticas muito diversas que vão desde as que têm práticas perfeitamente alucinadas às que souberam manter práticas sensatas. Digamos que tenho sorte por estar numa escola que se enquadra nesta última tipologia.

A FENPROF, neste início do 2.º período, relembra isto mesmo.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Alunos - Sentido de Humor

Borboleta Sobre Flor - S. Gonçalo - Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Alunos - Sentido de Humor

Retorno às aulas. Os alunos apresentaram trabalhos de grupo arrastados do final do 1.º período para o início deste porque estavam afogadinhos em trabalho, disseram eles... e eu acreditei.
Apresentaram os trabalhos em formatos variados, mais ou menos criativos e originais, recorrendo ao PowerPoint, Prezi, Adobe Spark... um grupo fez literalmente um estendal em que as informações e as imagens iam sendo penduradas numa corda... enfim, a imaginação soltou-se e ganhou asas e voou.
Claro que à medida que os alunos iam apresentando os trabalhos eu ia tecendo as minhas críticas, construtivas, para que, num próximo trabalho, os mesmos erros não sejam cometidos.

A dada altura atira o R:
 "Graças a si, professora, o A hoje cresceu 5 centímetros!"
E, antes de eu ter tempo para lhe pedir a explicação para semelhante tirada, ele acrescenta todo lampeiro, com um sorriso rasgado de orelha a orelha:
"Não dizem que é com as críticas que se cresce?"

Alunos - Criatividade/Generosidade

Canção Popular - A Russa e o Fígaro
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães
Canção Popular - A Russa e o Fígaro
Amadeo de Souza-Cardoso

Alunos - Criatividade/Generosidade

Chegar à sala de aula, assistir à apresentação dos trabalhos de grupo que os alunos me pediram para protelar para este ano que agora começa e receber uma dádiva generosa das mãos dos alunos de um determinado grupo nos seguintes termos "Queremos oferecer esta recriação de um quadro de Amadeo de Souza-Cardoso para o Centro de Recursos da Sala de História"...  só pode ser equivalente a uma entrada neste segundo período com os dois pés direitos... certo?
Grata, Alunos Meus! A vossa dádiva integra agora este Centro de Recursos que, também com a vossa colaboração, vai crescendo a cada dia mais e mais.

Nota 1- A fotografia não está grande coisa mas foi o que se arranjou com o telemóvel.
Nota 2 - O quadro original, Canção Popular - A Russa e o Fígaro, é uma pintura a óleo sobre tela e foi pintado por Amadeo de Souza-Cardoso, em 1916.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Professores - Recomeço

Auto-Retrato - S. Gonçalo - Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Professores - Recomeço

Porque a nossa vida de professores é feita de infinitos recomeços... mais uma vez, amanhã, recomeçaremos a labuta dentro das salas de aula. A outra, a labuta que extravasa as salas de aula, a invisível para a maioria das pessoas, não acaba nunca... e cola-se-nos à pele, permanecendo nela grudada... acho que para sempre.

Alunos, preparem-se! Com a energia renovada... aqui vamos nós!

A Palavra a Maria do Carmo Cruz - Se...


A Palavra a Maria do Carmo Cruz

SE…

Se és capaz de manter a tua calma quando,
Dizem que os professores não fazem nada
De crer em ti quando todos estão duvidando,
Sem, no entanto, resolveres as coisas à pancada.
Se és capaz de te levantares, cada manhã,
Dar um suspiro fundo e ir para a Escola,
E fazer de cada aula um amanhã
Para quem preferiria ir ver a bola…

Se és capaz de te esqueceres do ministério,
De pareceres, decretos, metas e perfis,
E trabalhares com os alunos que tiveres
E ainda assim te considerares feliz.
Se és capaz de ver as pessoas que se sentam
À tua frente, e as olhares como eles são,
Nem anjos, nem diabos, mesmo quando tentam
Ver se são capazes de te tirar a razão.
Se és capaz de ver qualquer oculta fome,
De pão, de carinho, de ternura
Ou uma angústia que tenha qualquer nome
E transformar em sorriso a amargura.
Se és capaz de te lembrar como eras
Rapaz ou rapariga de outro tempo
Recordar aquelas longínquas primaveras
Que afinal voaram como o vento.
Se és capaz de sorrir das tuas traquinices
E das partidas que pregaste aos professores
E pensares que eles estão no tempo das tolices,
Mas tu os ajudas a crescer e a ser maiores.
Se és capaz de dar aulas no inverno
Com o aquecimento central de todo o ano
Sem disso fazer um céu ou inferno
Antes cumprindo o teu dever quotidiano
Se és capaz de aceitar um horário aberrante
Ou dar apoio mesmo a quem não quer
Se és capaz de não diminuir o ignorante,
Mesmo se começaste a duvidar e a descrer
Se és capaz de tratar os impostores com desdém
Mas dar-lhes sempre nova oportunidade
Se consegues utilizar a justiça e o bem
Como moeda de troca da Verdade.
Se és capaz de estar disponível
Para aquela conversa quando ias descansar
E a ouves com a seriedade possível
Quer te dê vontade de rir ou de chorar.
Se és capaz de fazer o milagre, sem deslizes
De transformar a Escola onde andares
Num lugar onde todos sejam mais felizes,
Deixa falar os Júdices e os Tavares,
Alguns pais e os professores incréus
Porque vozes de burro nunca chegaram aos Céus.
Se estás disposto a começar nova jornada
Quando o Outono regressar suavemente
Deixar a família, os amigos ou a namorada
E ir para outra Escola novamente
Então, deixa falar os maldizentes
Sabendo que há quem conheça o teu valor.
Afinal, tu és Alguém entre outras gentes,
Tu és um Professor!
Maria do Carmo Cruz (2018)

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Jóia de Luz - Promessa para 2019

Auto-Retrato Com Jóia de Luz Anexa
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Jóia de Luz - Promessa para 2019

Não é comum a Jóia de Luz queixar-se de cansaço mas, muito de quando em vez, lá me pede uma boleia para subir a calçada espampanantemente íngreme desta rua que também já é dele.
Foi o caso. Subi-a por inteiro com a Jóia, deliciada, às minhas cavalitas e, chegados a casa, aproveitei para registar o feito nas vidraças cá de casa enquanto, entre risadas muitas, minhas e dele, lhe dizia "J, isto tem de acabar! Olha que a vovó está quase sexagenária!"

É claro que o J não percebeu o alcance da coisa e é também claro que a ameaça não se concretizará, espero eu, tão cedo, não agora que um outro J vela pela minha forma física e mental duas vezes por semana, no mínimo!
Assim, aqui deixo a promessa para 2019 - continuar a carregar esta Jóia de Luz... e quem diz esta Jóia de Luz diz outras cargas, outros pesos, mais ou menos pesados, mais ou menos complicados.
Recomecemos, pois... a vida, em 2019.

sábado, 29 de dezembro de 2018

Desejos para 2019

Amizade - Dezembro de 2018 - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Artur Matias de Magalhães
Amizade - Novembro de 2007 - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de João Pedro Fonseca

Desejos para 2019

As duas séries de fotografias que ilustram este post distam onze anos. E nada melhor do que fotografias que ilustram a energia e o poder da amizade, incólume apesar da "velhice" que se instala em amizades que nos acompanham desde a profundidade dos tempos, para desejar aos meus leitores um 2019 cheio de tudo o que realmente nos faz falta . Que não nos falte a saúde. Que não nos falte a família. Que não nos falte a amizade. Porque, tendo tudo isto, o resto vem por acréscimo e resolve-se.

Nota - Somos distintas, somos muito muito diferentes e chegamos mesmo a ser antagónicas porque uma é doce e a outra é arisca; uma é floral, a outra é vulcânica; uma é anjo e a outra é diacho; uma é mar fresco e infinitamente azul em todas as suas cambiantes, a outra é deserto escaldante em variantes de cor que vão do branco imaculado ao rosa profundo, passando por todos os tons de terra que se possam imaginar; uma, curiosamente, passados onze anos, mantém o preto e o branco para a fotografia, a outra mantém o preto integral e imaculado mas "apenas" dentro da sua cabeça e aparece, disfarçando-o exteriormente, num colorido que vai bem com o ensolarado dia que nos aquece o umbigo, situado em pleno Largo de S. Gonçalo... mas somos ambas orgulhosas Amigas, somos ambas orgulhosas Amarantinas, somos ambas orgulhosas Professoras de História... e tudo o mais que não é para aqui chamado.
Hoje aproveito este post para fazer tchim tchim a todas as amizades que perduram no tempo. Esta é uma delas.

Ah! E passados onze anos, resolvemos mudar de lado.


 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.