sábado, 11 de setembro de 2021

Da Terra/Da Família

 

Da Terra/Da Família
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães 

Da Terra/Da Família

Os frutos/figos e marmelos, devo-os ao meu pai. As cenouras, os pimentos e os tomates devo-os ao meu irmão que se lembrou de fazer uma horta, algures pelo ano passado, fazendo as delícias do meu pai que um dia me entrou em casa todo satisfeito dizendo: - O teu irmão lembrou-se de fazer uma horta junto ao tanque com um amigo...ele não percebe nada daquilo mas vai aprender...

O meu pai a cada passo lá ia, subia aos quintais e fiscalizava o andamento da coisa. Ainda viu a germinação de vários produtos hortícolas e chegava-me a casa todo satisfeito e orgulhoso da horta do seu filho que nunca na vida foi agricultor... nem sequer em sonhos!

A marmelada já feita é a primeira onde as mãos do meu pai não tocaram. Desde sempre era ele que apanhava os marmelos nos quintais e ajudava a fazer a marmelada, primeiro a par com a minha mãe, depois aqui em casa onde a marmelada tinha sempre a sua intervenção.

Hoje, no jardim da sua casa guiando um jasmim, olhei para a rua e, ao longe, "vi" o meu pai com o meu neto pela mão a aproximar-se... sim, podia ser ele...

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Campanha Eleitoral Independente Minha - Promessas

Perspectiva possível para o ano
As ervas loucas, já cortadas mas completamente espalhadas pelo chão, paredes, portas, janelas e afins
Os montes de ervas grosseiramente varridos pela vizinhança que já nem tem idade para isto
Quelha "limpa".
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Campanha Eleitoral Independente Minha - Promessas 

Prometo que as quelhas de Amarante nunca acumularão ervas loucas e que estas serão cortadas como quem corta as ervas nos meus campos da Barca e as trata como um relvado. Aliás, e pensando melhor, prometo que as ervas serão arrancadas pelo pé, como faço nos meus caminhos na Barca porque jamais usarei ervicidas e coisa que tal em chão meu.

Prometo que, a par disto, as quelhas serão minuciosamente varridas como varro os caminhos empedrados da Barca e que eu faço com as minhas próprias mãos, monte acima, monte abaixo.

Prometo que nunca a erva será cortada para ficar toda espalhada pelo chão nem um dia, nem dois dias, nem os dias que calhar. E prometo que, depois de limpa, nunca uma quelha ficará no estado documentado nas últimas duas fotografias.

Ah! E pensando melhor, prometo que me vou deixar de ovelhas e vou passar às vacas que executarão a tarefa de corte e farão posteriores lambidelas de chão, aproveitando os restos, deixando as quelhas que nem uns brinquinhos.

E não me venham falar em poios quentes de vacas espalhados pelo chão que aqui no centro histórico já nos chegam os poios e mais poios dos cavalos que por aqui se passeiam com elegantes amazonas em cima. Obviamente, está tudo pensado ao pormenor e as vacas contratadas usarão as adequadas fraldas.

Palavra de política. Continuais a votar em mim?

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Campanha Eleitoral Independente Minha - Por uma Amarante que Seja de Novo Princesa

Quelha dos Eirados - S. Gonçalo - Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Campanha Eleitoral Independente Minha - Por uma Amarante que Seja de Novo Princesa

Este post serve para informar os meus leitores que concorro ao posto, não remunerado, de Zeladora Independente desta cidade que é minha. Aliás, atenta desde sempre aos problemas da cidade onde nasci, em casa voltada para o rio na Rua Cândido dos Reis, tenho exercido, volta e meia, neste blogue que é meu e do qual sou a única tratadora, esta humilde função que me deixa, amiúde, indignada.

Hoje pedi emprestada a um amigo uma ovelha. E como quem tem amigos tem tudo, foi meu dito, foi meu feito e aqui está ela a fazer a limpeza da minha quelha, a que o senhor presidente chama "quelho" e o anterior poder autárquico ps, por certo com a mania das grandezas, baptizou de rua não sei das quantas. Mais chique, portantos.

Ora, prometo, se votarem em mim para este cargo independente, picar-vos-ei os miolos para que todos façam a sua parte. Faríamos até um rebanho bem jeitoso entre todos e podemos até trazer novo turismo para Amarante promovendo viagens de cassapos conduzidos pelas ovelhas. 

Que vos parece?

Futuro

 

Fotografias de Artur Matias de Magalhães

Futuro

E é isto. A vida decorre, persiste e renova-se, misturando sangues de uns e de outros.

domingo, 5 de setembro de 2021

Terapiando com Tecidos Familiares - Quem Tem Amigos Tem Tudo


Terapiando com Tecidos Familiares - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Terapiando com Tecidos Familiares - Quem Tem Amigos Tem Tudo

Esta terapia, feita com tiras de tecidos diversos trabalhadas em ponto baixo, era uma antiga técnica de reciclagem usada para o reaproveitamento de roupa usada até ao tutano. Nada se descartava numa época de poucos recursos e que é em tudo oposta ao usa e deita fora tão praticado nos nossos dias pelas pessoas que fazem os países ditos de "desenvolvidos".

Neste tapete de "trapos" cabem diversas gerações da minha família, desde a minha avó Luzia, o meu pai, a minha mãe, o meu cara metade, a minha filha, eu própria, sobrinhas... e o mais que for calhando e cabendo, nunca à sorte, neste tapete que construo por estes dias para a minha nova neta que está quase a chegar.

Pois um dia destes fui surprendida por uma amiga de sempre. Disse-me, entregando-me dois lenços:

- É para tu meteres no tapete. Faço questão de também estar no tapete da tua neta.

É claro que já lá consta. 

Muito grata por tudo, sim Amiga?

quinta-feira, 2 de setembro de 2021

Amostras de Património Mundial da Humanidade




Amostras de Património Mundial da Humanidade
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Amostras de Património Mundial da Humanidade

Nas minhas veias corre sangue deste Douro moldado pelo Homem, desta paisagem vinhática e socalcada que persiste desde tempos imemoriais e que tão justamente foi considerada Património Mundial da Humanidade. 

Muito grata por tudo, Mamã.

Amigas e Amizades

Amigas e Amizades - S. Gonçalo/Sabrosa

Fotografias de Anabela Matias de Magalhães


Amigas e Amizades

Amizades entre mulheres que se respeitam nas suas especificidades, diferenças, opiniões.

Grata pelo dia, Amigas! Eu estava a precisar e o motivo deste encontro não podia ser mais nobre.


Nota - Ramo Gardénia. Belíssimo para belíssima Mulher!

segunda-feira, 30 de agosto de 2021

Eu Não Sou Funcionária Autárquica Encarregue da Limpeza de Uma Quelha

Quelha Exemplar - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Eu Não Sou Funcionária Autárquica Encarregue da Limpeza da Uma Quelha

Já escrevi muito neste blogue, na verdade desde que o abri no longínquo ano de 2007 - ver aqui -  sobre as quelhas amarantinas a que o senhor presidente chama "quelhos" depois de descobrir algumas com uma pessoa de Vila Real ainda há poucos dias... eh eh eh... até parece anedota no final de dois mandatos autárquicos de oito anos... mas não é.

O problema é velhinho, atravessa autarquias pintadinhas de cor-de-rosa, laranja podre e azul desbotado, e está já cheiinho de artroses e nem sequer é exclusivo destas vielas que podiam ser tão belas se bem cuidadas e limpas pelos respectivos cuidadores autárquicos que foram eleitos também para manterem o básico e o básico, numa cidade, para mim, é a limpeza, o cuidado posto aqui e ali, a carícia com que se renovam estes espaços que já foram, frequentemente, espaços onde a pobreza prosperou.

Hoje, ao percorrer a minha quelha, sim, gosto tanto delas que quis uma só para mim... eh eh eh...quase... tomei uma decisão radical fartinha de fazer o papel de funcionária autárquica de apanhadora de lixo, cortadora ervas e mesmo de arrancadora delas.

E, como tal, finito arrancar ervas na quelha, finito apanhar o lixo louco na quelha, finito varrer a quelha a seco ou lavá-la à conta da minha exorbitante conta da água - os Amarantinos pagam das águas mais caras do país... finito!

A lixeira pode continuar a amontoar-se pela quelha abaixo que eu, ao percorrê-la, só perguntarei a mim própria - será que quem comanda esta autarquia não tem vergonha na cara? Será que tem assim neste mesmo estado os seus privados jardins, a sua privada casa?

Nota - O problema arrasta-se desde sempre. Se o PS estivesse na governação local, e se as quelhas estivessem no estado documentado em fotografias tiradas há 15 dias atrás e hoje, o post seria exactamente o mesmo.

Biba a Princesa dos Cassapos! Biba! Biba! E do abandono e do vale tudo em pleno centro histórico também!  


domingo, 15 de agosto de 2021

Amazing Cassapos do Tâmega - Seis

 


Amazing Cassapos do Tâmega - Seis

Foi encontrado soterrado em terreno de aluvião, nas margens do Tâmega, um Amazing Cassapo do Tâmega/Vikingue que continua a ser estudado por arqueólogos vindos de todas as partes do Mundo e que já estão a levar a economia local a uma recuperação estratosférica!

A descoberta, única e extraordinária a nível mundial, comprova que o estranho barco resultou da cópula de um barco Viking e de um Cassapo e comprova igalmente a antiguidade dos cassapos do/no Tâmega. Acreditava-se estarem extintos - o meu bisavô nunca os viu, o meu avô também não e o meu pai idem aspas aspas... acho... mas, talvez fruto das alterações climáticas, este ano ficamos enxameados deles de um dia para o outro, prevendo eu, não tarda nada, verdadeiros engarrafamentos de cassapos no Tâmega.

Quando esse dia chegar, certamente os nossos competentíssimos autarcas farão rotundas acassapadas no rio, alindando-o, assim, por certo! 

Desovaram... talvez.

domingo, 8 de agosto de 2021

Amazing Cassapos do Tâmega - Cinco

 


Amazing Cassapos do Tâmega - O Toque Decorativo que Faltava - Cinco

Pegue numa das muitas gruas espalhadas pelo centro de Amarante e estique-lhe o braço que tudo alcança. 

Faça dela cana-de-pesca e pesque um cassapo ao calhas porque são todos muito lindos.

Faça rodopiar o cassapo pelos ares, com jeitinho, e leve-o para a maravilhosa rotunda que ainda nem está pronta mas já tem o pedestal que receberá o cassapo. 

Faça-o pousar devagarinho para não estragar a suavidade e beleza incomensurável das formas e das cores das bichezas.

Confesso que eu queria ter pescado um urso ou um burro mas parece que estavam em terra seca e este rosa foi o que consegui capturar.

E você, já capturou o seu cassapo?

sábado, 7 de agosto de 2021

Pascoaes e os Amazing Cassapos do Tâmega - Quatro

 

Cassapos no Tâmega - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Pascoaes e os Amazing Cassapos do Tâmega - Quatro

Sem esta terra funda e fundo rio / (...) / Eu não era o que sou... escreveu Teixeira de Pascoaes um dia sem imaginar, claro está, que no futuro que é hoje o rio estaria infestado de cassapos.

Vivesse agorinha mesmo em Amarante Teixeira de Pascoaes, para o meu avô e para o meu pai o Dr. Joaquim, e talvez a poesia fosse outra... quiçá...

Sem esta terra a ficar apimbalhada e rio infestado de uma praga de cassapos / (...) Eu não era o que sou...

domingo, 1 de agosto de 2021

Serra da Aboboreira - Peixinhos


Serra da Aboboreira - Peixinhos

Fogo, Chama, Ouro e Sombra são os seus nomes.

Amazing Cassapos do Tâmega - Antes e Depois - Três

 



Amazing Cassapos do Tâmega  - Antes e Depois - Três

Antes um rio bucólico e belo, sereno e tranquilo, depois uma conspurcação infernal, uma infantilização  e uma falta de respeito pelos lugares que nos foram legados que até dói.

Estamos a sofrer uma invasão de cassapos... rsssssssssss... e, não tarda nada seremos chacota nacional, internacional até.

Princesa do Tâmega, o que é isso?! Princessa dos Cassapos é o que é!

Nota - A primeira foto é, neste momento, enganadora para quem nos visita pois o rio está invadido de casssapos. Sugiro pois aos autarcas que publicitem a nossa Terra e o nosso Rio tal e qual se encontram neste momento. E envergonhem-se. SFF!

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Amazing Cassapos do Tâmega - Dois

 

Cassapos do Tâmega - Amarante
Montagem
Amazing Cassapos do Tâmega - A Internacionalização - Dois

Resumindo e concluindo - os venezianos não podem ver nada! Não lhes chegam as gôndolas, essas aberrações históricas que têm dado elegância, distinção e identidade à cidade e toca de copiarem o que se passa no rio Tâmega em Amarante. Vai daí encheram os canais de cassapos.

Xôooooooooooo guigas!

Alôoooooooooo  cassapos!

Amazing Cassapos do Tâmega - Um

 


Amazing Cassapos do Tâmega - Um

Foi fotografado um Amazing Cassapo do Tâmega em pleno alto mar fazendo guarda a navio cruzeiro xpto que se dirige à Euro Disney cheio de crianças aos pulos acompanhadas dos seus papás igualmente aos pulos.

Agradece-se a quem o tentar apanhar, sim nós sabemos que não vai ser tarefa fácil, e dão-se alvissaras a quem o colocar de novo no seu original local de desova, o nosso querido rio Tâmega que nem parece o mesmo e chora chora esta fuga do seu seio, das suas águas maternais.

Nota - Grata Ducha Queirós pelo baptismo destes Amazings!

quarta-feira, 28 de julho de 2021

Amarante - A Palavra a José Emanuel Queirós - UMA METÁFORA PARA EVITAR UM EPITÁFIO

S. Gonçalo - Amarante
Fotografia de José Emanuel Queirós

Amarante - A Palavra a José Emanuel Queirós - UMA METÁFORA PARA EVITAR UM EPITÁFIO 

"Estivesse Amarante aprisionada em cerco de ferro envolvente, protegida de golpes e investidas que lhe roubam o aprumo, a honra e a identidade. Com o concelho entregue à sorte voraz de novas faunas predatórias, aspirantes ao gozo de insaciáveis prazeres mundanos visíveis na tela da cidade, no granito lavrado do seu corpo íntegro crescem enxertias agressivas e desousados marcadores do tempo.  Estivesse o concelho sob o casco dos cavalos de Soult que os amarantinos despertariam para evitarem dominanças perversas e espúrias, maiores que fossem as promessas, os compromissos e a imaginação, antes que a carne se fizesse em pó e a urbe recolhesse sobre ausências e silêncios."

Nota - Eu até diria "Uma metáfora para evitar um epitáfio e uns palavrões para aliviar o desgosto profundo do olhar em volta"

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Reconstrução Interior - Receita Minha

 








Trabalhos Manuais . S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Reconstrução Interior - Receita Minha

Pegue em trapos velhos e corte-os às tirinhas, pode ser delicada ou furiosamente, a largura das tirinhas dependendo sempre da espessura do tecido. 

Faça como eu e vá experimentando se é a primeira vez que se aventura nestas andanças até alcançar o ponto certo. Neste caso só utilizei lenços fininhos de sobras de loja que um dia fechei.

Faça rolos de cada peça cortada. Combine cores. Peque em agulha para trabalhar lã e dê vida ao processo criativo, misturando tudo conforme a sua sensibilidade, gosto pessoal, conceito estético.

Pode fazer tapetes, mantas, almofadas, sacos de praia, carteiras e o mais que a sua imaginação lhe ditar.

E assim vai a minha lenta recuperação interior depois de hoje ter acordado tarde e, ao olhar para o relógio, pensar de imedito "Anabela Maria despacha-te que o teu pai está quase a chegar para almoçar."

 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.