domingo, 18 de setembro de 2022

Regresso à Escola



Regresso à Escola

Depois de um amplo interregno durante o qual estive impedida de exercer a profissão que escolhi para mim, por razões de saúde, eis que regressarei na próxima semana aos afazeres típicos de uma vida profissional docente e que eu exijo a mim mesma que seja decente.

Durante todo este período de interregno, absolutamente essencial e crucial para mim, tive tempo para reflectir, amadurecer, ruminar, decidir, hesitar, pensar... e, acima de tudo, de me questionar frequentemente "Anabela Maria, o que andas a fazer nesta vida, com a tua vida?"

As conclusões que tirei, por agora, ficarão para mim. Hoje apenas quero deixar aqui registado que fico contente por ter saído de um agrupamento chamado Agrupamento de Escolas de Amarante e de voltar agora ao activo a um agrupamento chamado Agrupamento de Escolas Teixeira de Pascoaes, diferente, portanto, e que, por certo, jamais me exigirá contratar advogados especializados em direito de trabalho para que, em actas de reuniões em que estive presente e não muda, fique escrito o que eu disse e que eu disse que exigia que ficasse escrito.

Sim, o silêncio é cumplicidade.

Regresso, assim, protegida com a minha carapaça endurecida por múltiplas camadas, nunca desviando o olhar, seguindo sobretudo em f rente, de olhos bem abertos, ouvidos desobstruídos... escancarando portas e janelas à minha passagem, pronta para trabalhar até com mortos.

quinta-feira, 15 de setembro de 2022

ESA - O Cinquentenário da ESA Aproxima-se

Comprovativos - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

ESA - O Cinquentenário da ESA Aproxima-se

O cinquentenário da ESA, já amplamente comemorado no passado e amplamente negado também, chegará em breve, mais concretamente no ano de 2025, e ainda mais concretamente no dia 26 de Maio, data em que o seu nascimento foi oficialmente parido pelo ministério da Educação. 

Com nova direcção, esta escola secundária, responsável pela formação de muitos milhares de alunos ao longo de já quase cinco décadas, lote em que também estou incluída e com muito orgulho, deveria fazer um favor a si própria e fazer um pedido de desculpas formal à comunidade do concelho e dos seus arredores por difundir cinquentenários falsos num passado ainda muito recente.

Haverá novas comemorações?

Nota 1 - Quem tiver curiosidade pode ter um visionamento de como se atropela a História em toda a linha, clicando aqui

Nota 2 - O que vale é que ainda por aqui andam a rabiar pessoas atentas, não desmemoriadas e que se recusam a integrar o rebanho com medo de não sei o quê.

Nota 3 - Estou a aquecer os motores.

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Cabras e Cabrinhas, Pastores e Turistada aos Molhos

Biblioteca Municipal de Amarante - S. Gonçalo - Amarante

Cabras e Cabrinhas, Pastores e Turistada aos Molhos

Eureca! Tal como na minha quelha, a solução está encontrada para o pasto que cresce livremente, espalhado aqui e ali, pela cidade de Amarante. 
Nós por cá, eu, não somos de apenas nos queixarmos e vai daí apresentamos soluções pitorescas e inovadoras e ecológicas e culturais e patrimoniais e económicas para a resolução dos problemas da cidade.
Será que as paredes da Biblioteca Municipal de Amarante se notam no meio da bicharada?!

Novas (Hilariantes) dos Cassapos Amarantinos... em Apuros

Aventuras no Tâmega . S. Gonçalo - Amarante

Novas (Hilariantes) dos Cassapos Amarantinos... em Apuros

Esta noite o rio Tâmega subiu abruptamente. Não sei se choveu que se fartou lá mais para o Norte, não sei se abriram alguma barragem, sei é que o rio, que estava com um secão que nem vos digo nem vos conto, esbordou, passou por cima da açude e arrastou a cassapada toda rio abaixo até a fantochada dar com os queixos nas poldras. E era ver unicórnios, cisnes e afins, tudo à molhada, a gritar por socorro.

Claro que foram accionados os bombeiros locais para solucionarem esta insólita situação que, infelizmente, foi concluída com êxito e a bicharada fpoi toda salva pelo pescoço.

Caramba!!!! Esteve quase! Mais um bocadinho de caudal e a cassapada dava toda com os costados no paredão da barragem do Torrão e talvez se espatifasse de vez. 

Nota 1 - Presumo que o valor deles esteja no seguro porque não quero o prejuízo seja de quem for.

Nota 2 - Grata pelo envio das fotografias.

sexta-feira, 17 de junho de 2022

Ainda as Quelhas Amarantinas

 

Quelha das Garridas - São Gonçalo - Amarante

Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Ainda as Quelhas Amarantinas

Recuperação de texto com barbas.

SEGUNDA-FEIRA, 29 DE ABRIL DE 2013

Turismo - Sugestão ao Poder Político Local - Trilhos Pitorescos

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quelhas Amarantinas - Amarante - Portugal
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães 
 
Turismo - Sugestão ao Poder Político Local - Trilhos Pitorescos

No seguimento deste post, em que sugeri a criação de um roteiro do Percurso das Invasões Francesas em Amarante, hoje deixo outra sugestão, associada a percursos pitorescos que a esmagadora maioria dos turistas não faz por mero desconhecimento da sua existência.

Comecemos pelas quelhas. Escrevi eu em 25 de Julho de 2012:

Quem acompanha este blogue desde o seu primeiro ano de vida sabe que eu amo as quelhas, as vielas, os pátios que se abrem nestes capilares urbanos tão ao meu gosto pelo prazer da descoberta que me proporcionam quotidianamente, pelo inesperado de um recanto, de uma porta mais castiça, de um raio de luz que, de súbito e inesperadamente, penetra até às suas entranhas, amiúde decadentes, pobres, velhas, abandonadas, maltratadas, desrespeitadas. Eu não as abandono. Recuso-me. E continuo a gostar mais delas do que das avenidas mesmo se xpto.
A beleza das nossas quelhas amarantinas é um filão turístico ainda por explorar e que, se estivessem limpas e asseadas, fariam as delícias fotográficas de qualquer turista que se preze em busca de instantâneos pitorescos e especificamente portugueses. Estas quelhas, com estas características de cores, de rasgamentos, de janelas de guilhotina, de soluções de desenrasque, de recantos deliciosos, são nossas e de mais ninguém porque diferentes das marroquinas, das espanholas, das francesas... do que seja.
Deus dá as pérolas a quem não tem dentes, já diz o povo, e constato que, passados 5 anos sobre as minhas postagens sobre as quelhas amarantinas elas permanecem quase iguais, salvo um ou outro toque de cor que lhes dá vida e encanto enquanto disfarça os pivetes emanados de casas insalubres, uma transformada em canil aqui mesmo no centro da cidade sem que haja delegado de saúde que lá meta o nariz... pois podia até desmaiar com o fedor que de lá se solta. Enfim! No comments.
Penso que a Câmara Municipal de Amarante já podia ter feito alguma coisa por estes espaços. Por exemplo manter estes espaços limpos e asseados era da mais elementar justiça, e depois um retoque aqui e ali, umas flores e umas trepadeiras estrategicamente colocadas, uma caiadela aqui e ali... et voilá, sem grande dinheiro despendido podiam até abrir o Roteiro das Quelhas Amarantinas ao turismo.
Tenho a certeza que os turistas agradeciam. Os amarantinos que as habitam, que são gente, também. E talvez até os próprios amarantinos que as não habitam se aventurassem por estes espaços que se mantêm, ainda hoje, tão à margem da vida da cidade.
A fotografia que ilustra este post foi tirada na Quelha dos Eirados, agora transformada em Rua do Bairro Padre Américo num ímpeto talvez de novo riquismo que tudo apaga até as memórias. Que raio de lembrança foi esta de chamar rua a uma quelha que sempre o foi e vai continuar a ser?
Quelha dos Eirados, pois então! Ou, quando muito, Quelha da Generosa Faria!
Aqui com uma belíssima Trombeta da China, ou, ainda mais chique, uma campsis grandiflora trepadora... que trepou, trepou, trepou... até nos poder brindar com esta mancha vibrante e quente de cor para disfarçar o pivete de uma quelha que podia Ser... mas ainda não é.
Tal como todas as outras quelhas amarantinas. E é pena!

Sobre esta temática pode ainda ler outros posts que eu venho escrevendo sobre as quelhas desde 2007, ano de abertura deste blogue. Para isso basta clicar aqui.

Acrescento a cereja em cima do bolo dos Trilhos Pitorescos - o percurso pedonal pelas belas margens do Tâmega, a margem direita está impecavelmente tratada e a caminhada podia iniciar-se nos Poços, ou no Mercado, estender-se até os turistas apanharem um cheirinho do Lugar da Torre, meia volta e Morleiros, com a travessia da açude do mesmo nome... se permitido pelo Senhor Tâmega!, Ilha dos Amores, margem esquerda do Tâmega, a precisar de um arranjo em parte do pavimento, até à escadaria que, encostadinha à Ponte Velha, levaria a turistada aos doces regionais...

Nota - Habito numa das quelhas de Amarante. Desloco-me pela cidade a pé. Farto-me de ver turistas a passar... nas ruas principais, pois então! que é raro algum aventurar-se quelhas adentro.
Já de roteiro na mão... por certo que entrariam. Mas é claro que o poder local teria de as acarinhar... o que não é muito difícil de fazer... fundamentalmente teria de as manter limpas, de plantar uma ou outra trepadeira num ou noutro local estratégico... et voilá! Uma Outra Amarante renasceria!

domingo, 29 de maio de 2022

Vergonha Amarantina




Quelha das Garridas - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães

Vergonha Amarantina

Hoje, em dia de visitas guiadas pelo centro histórico da cidade de Amarante, em pleno Festival de Fotografia de Amarante, fotografias estas que se encontram espalhadas pela cidade por vezes em sítios improváveis, deparei-me com um problema amarantino muito velho e que já tem barbas a arrastar pelo chão e que, pelos vistos, é irresolúvel em Amarante: limpeza, asseio, brio, orgulho pelo belíssimo legado que nos foi depositado em mãos pelos nossos antepassados por parte de quem nos "governa" localmente.

As fotografias que ilustram este post são todas da Quelha das Garridas... mas podiam ser de outra quelha qualquer. A imundice é notória. As ervas foram cortadas e o lixo foi deixado para trás, como é usual, como sempre fazem aqui mesmo na minha quelha, promovida em tempos de ps a, talvez, "chique" rua.

Presumo que esta falta de limpeza e de vergonha na cara se deva à falta de verbas do município liderado por psd e cds coligados. Em tempos de ps foi exactamente o mesmo.

Presumo que só haja verbas para obras multimilionárias de muitos e muitos milhões, muito betão, muito granito, muito elevador, muito calhau variado, muito arquitecto famoso. 

De facto, a limpeza não se enquadra neste item. Raio de sorte a nossa!

Nota - Ampliem as fotografias sff.


 
Creative Commons License This Creative Commons Works 2.5 Portugal License.